quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Menos obra, mais ensino


Uma escola estadual da cidade de São Paulo (Carlos Maximiliano eu estudei nesta escola) estava com vários andares ociosos e estava ameaçada de ser fechada por falta de alunos. No ano passado, decidiu-se ocupar as salas vazias para dar aulas de cursos técnicos, que só não se expandiam por falta de prédios. Uma ideia simples, óbvia, acabou produzindo o que pode ser encarado com milagre na administração pública.

A escola que realizou aquela experiência (mais detalhes no www.catracalivre.com.br) não sabia, mas estava apresentando uma solução que economizou dezenas de milhões de reais --e vai economizar mais dezenas de milhões de reais nos próximos anos. Um levantamento mostrou que havia, no Estado de São Paulo, centenas de colégios em situação semelhante e se decidiu, em vez de erguer prédios para mais escolas técnicas, utilizar as salas vazias.

Além da economia de dinheiro, ganham as escolas regulares, que passam a oferecer um importante atrativo para seus alunos, aproximando-os do mercado de trabalho. Tudo isso só ocorreu porque foi a comunidade que, ao tentar salvar aquela escola estadual, atraiu os cursos técnicos.

Está aí uma boa lição aos políticos e administradores públicos, a maioria deles viciados em inaugurações para chamar a atenção: muitas vezes, menos obra significa mais ensino. Desperdiça-se pela incapacidade de juntar espaços, tarefas e programas.

Porque não se pensa nisso, investiu-se e se investe tão pouco na formação dos professores, que não aparece --mas em obras que chamam a atenção do leitor.


Gilberto Dimenstein, 52, é membro do Conselho Editorial da Folha e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário da Folha. Escreve para a Folha Online às segundas-feiras.

"Picadilha Jaçanã" do Relatos da Invasão

Relatos da Invasão é um grupo de rap formado no Jaçanã, eles são aposta do DJ KL Jay, inclusive, lançaram seu álbum de estréia pela gravadora do DJ do Racionais, a Equilíbrio.
Essa rapaziada da zona norte representa a nova geração do rap brasileiro, influenciados principalmente pelo samba-rock, são um dos destaques dessa nova safra. O vídeo de "Picadilha Jaçanã" é o primeiro do grupo, produzido pela Kultur, muito bommmm!!

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

31.01.09 - A primeira Zoeira de 2009 celebra com Projeto Manada, Mentekapta+ Tuche + DJ Dandan e muito mais...

ZOEIRA SP
hiphop, vertentes e influências
www.myspace.com/zoeirahiphop

Dia 31 de janeiro no Hole Club, a primeira ZOEIRA do ano traz pocket-shows de São Paulo e Curitiba.
Organizada por Elza Cohen, a festa de hip hop music underground mais famosa do Brasil , celebra a entrada de 2009 e o inicio de uma nova era com um line-up muito especial. Eu convido a todos para conferir pessoalmente.

PROJETO MANADA (SP)
(poesia irônica dosada com beats e scratchs)
MCs: Leco,,Macário, Prizma e Venom
Lanç. do álbum "URBANIDADES"
www.myspace.com/projetomanada

MENTEKAPTA (Curitiba) + TUCHÊ
Lanç. EP "Protótipronto"
www.myspace.com/mentekpta
www.myspace.com/mctuche

DJs
DANDAN (Rinha dos MCS), SELECTORS BSIDE (Flow, Tiago Canzian e Neguin)

Apresentação:
LENDA (Pachol´s Familia) e MARCELLO GUGU ( Áfrika Kids Crew)
www.myspace.com/mclenda
www.myspace.com/atequenfimgugu

Realização: www.myspace.com/elzacohen

Hole Club: Rua Augusta 2203 - Jardins (dentro da Galeria América) Metrô Consolação.
23h30 - R$15, ou R$10 com flyer e nome na lista, (zoeirahiphop@gmail.com)
Mulher FREE ate 00!!!
Info-Zoeira: 11 9494 7815

Mercado Municipal de Sp comemora aniversário com samba sábado e domingo

O Mercado Municipal Paulistano, mais conhecido pela alcunha de "Mercadão", está completando 76 anos no próximo domingo (25/01), mesma data em que se comemoram os 455 anos da cidade de São Paulo.

"Setenta no Samba" é o título da festa que vai celebrar mais um aniversário do Mercadão, com a presença de muitos conjuntos e sambistas da mais fina estirpe. Vale lembrar que todos os shows serão gratuitos.

A programação será aberta às 12h (meio-dia) do sábado (24/01), com o conjunto "Chorinho da Contemporânea", formado por músicos que freqüentam a roda de choro da loja Contemporânea (localizada na Rua General Osório, 46), ponto de encontro tradicional dos chorões de São Paulo. A trupe é liderada pelo célebre cavaquinista e violonista Arnaldinho.

Depois do choro paulistano, a festa continua com muito samba, ao som dos grupos Berço do Samba de São Matheus, Samba na Laje, Samba na Vela e Quinteto em Branco e Preto.

Quando os relógios cravarem meia-noite, ocorrerá a tradicional queima de fogos, em homenagem aos 76 anos do Mercadão Paulistano. Na seqüencia, sobe ao palco o ilustre cantor Jair Rodrigues, seguido pela festejada cantora Dona Inah e o genial sambista Germano Mathias.

De acordo com os organizadores do evento, a festa não tem hora pra acabar.

Segue abaixo a programação completa dos shows, com os horários estimados:

24/01 (sábado)

12h - Chorinho da Contemporânea
15h - Berço do Samba de São Mateus
17h - Samba da Laje
19h - Samba da Vela
21h - Quinteto em Branco e Preto
22h30 - Trovadores Urbanos

25/01 (domingo)
0h - Queima de fogos
0h30 - Jair Rodrigues, Dona Inah e Germano Mathias

O Mercado Municipal Paulistano fica na Rua da Cantareira, 306 - Centro (próximo ao metrô São Bento).

Zulu Nation em Festa!

Domingão, é dia de festa no estilo Hip-Hop Old School: Música, Dança e Graffiti de dia e de graça!

Zulu Nation em Festa, vai rolar no Sesc Santana, comemorando mais um aniversário da cidade e trazendo pela primeira vez ao Brasil, o Dj Rob Swift, membro do lendário grupo X-Executioners (NY). Além dessa atração especial, ainda vai rolar show do Mamelo Sound System, Thaide e Max B.O e apresentação dos grupos de dança Back Spin BBoys e Soul Sisters.

SAMPOEMAS - ANIVERSÁRIO DE SÃO PAULO

Casa das Rosas presenteia São Paulo com muita poesia

19H: SARAU "DA PERIFERIA AO CENTRO"
Domingo - 25 dejaneiro
COM FREDERICO BARBOSA E SÉRGIO VAZ (COOPERIFA)
Os Poetas fazem um sarau em homenagem à cidade de São Paulo num encontro poético que une centro e a periferia.
Toda a programação é gratuita

Local: Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
Endereço: Av. Paulista, 37, Bela Vista - próximo à Estação Brigadeiro do Metrô - São Paulo / SP Tels.:(11) 3285-6986 ou (11) 3288-9447
Estacionamento conveniado: Alameda Santos, 74

Frenesi, música nova do Rosana Bronk´s

Na última Festa da Paz, que aconteceu em dezembro do ano passado no Jardim Rosana, na zona sul de São Paulo, foi apresentada a música nova do Rosana Bronk´s chamada "Frenesi".
Se liga só:

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

MST completa 25 anos - Radioagencia NP entrevista Stedile

Existe um veículo chamado Radioagência NP com um posicionamento muito interessante, que particularmente me agrada muito.
Sempre recebo e-mails com os informativos deles, quem puder acessar www.radioagenciaNP.com.br para ler e conhecer...
Jornalismo Social, textos bacanas, linguagem simples, enfim, como todo texto jornalístico deveria ser: PARA TODOS ENTENDEREM.


Eles fizeram uma entrevista com João Pedro Stedile, líder do MST, o movimento que luta pela reforma agrária está completando 25 anos. Triste é percebermos que pouca coisa progrediu - durante minha viagem pro Pernambuco, passei por várias plantações de cana e presenciei o sofrimento dos cortadores, e vou te falar: é osso. Num local em que as diferenças sociais são ainda mais gritantes e não chove há mais de três meses, o trabalhador rural sofre.

"Em janeiro do ano de 1984 nasceu o que hoje pode ser considerado o maior movimento social do Brasil. Neste mês, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) está completando 25 anos de luta pela terra. Hoje o Movimento está presente em 24 estados do Brasil. Este número pode ser representado em mais de 130 mil famílias sem-terra acampadas em todo território brasileiro. O número de famílias assentadas é ainda maior, na sua história o MST já assentou mais de 370 mil famílias.

A luta pela terra não é a única bandeira de luta do Movimento. Nesses 25 anos, o MST construiu mais de duas mil escolas públicas em assentamentos – este número garante acesso à educação de mais de 160 crianças e adolescentes – além disso, o MST ainda conta com mais de 100 cursos de graduação realizados em parceria com universidades por todo o país"....

Acessa lá pra fortalecer a corrente: http://www.radioagencianp.com.br

Kassab diminui renovação de frota de ônibus em SP

pra quem votou no Kassab acreditando em mudanças.....

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), terá que diminuir o número de ônibus novos comprados pela prefeitura neste ano. A medida foi adotada com o objetivo de conter os gastos para conseguir manter a passagem a R$ 2,30 em 2009. Esta foi uma das promessas de campanha feita pelo prefeito Kassab, enquanto candidato. A previsão é que apenas 175 veículos sejam comprados este ano, contra a média anual de 1,7 mil desde 2005.

A gestão do prefeito alegou que a medida não deve prejudicar manutenção da qualidade do sistema de transporte na cidade.

Em 2004 quando a parceria José Serra/Kassab foi eleita, apenas 46% das promessas de campanhas foram cumpridas.

Neste ano quando tomou posse, Gilberto Kassab afirmou que foram incluídas no orçamento municipal enviado à Câmara, todas as promessas de campanha. No entanto, em dezembro, a Câmara dos Vereadores da cidade aprovou um corte de R$ 2,2 bilhões do orçamento municipal para 2009.

A Secretaria de Transportes foi a que teve o terceiro maior corte de verbas no parecer. A maior redução foi da Secretaria de Serviços, que cuida do lixo e iluminação.

Para que Gilberto Kassab cumpra todas as promessas listadas em seu programa de governo, ele terá de entregar uma obra ou projeto a cada 36h. Trata-se de um total de 953 inaugurações em quatro anos. De São Paulo, da Radioagência NP, Juliano Domingues.

myspace de MV Bill com nova música

MV Bill tá divulgando em seu Myspace sua nova música chamada "O Bonde Não Pára", acessa pra escutar o som que tem participação da Kmilla, na minha opinião, se não a melhor, com certeza, uma das melhores MCs do país. O flow dela é único.
Gosto muito do Bill, principalmente pela ousadia em alimentar seu rap com outras vertentes musicais. Loco!!
Outra música nova que também tá no Myspace do Bill é a "Livre Pra Voar", em que ele participa do som do Exaltasamba.
www.myspace.com/mvbill

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Funk movimenta R$ 10 milhões por mês só no Rio de Janeiro, diz estudo

essa matéria que saiu na F. de São Paulo sobre o funk, me lembrou a amiga e articuladora carioca Adriana Pittigliani (RIP), idealizadora do Carioca Funk Clube, que lutou muito pela dignidade musical no funk carioca.
é positivo para a música produzida nas quebradas, o fato de que veículos de comunicação comecem a enxergar os movimentos culturais periféricos brasileiros como nichos de mercado....




20/01/2009 - 08h13

BRUNA BITTENCOURT
Colaboração para a Folha

Estudo realizado pelo instituto de pesquisa da Fundação Getulio Vargas, o FGV Opinião, deixou as batidas e os versos provocativos do funk de lado para analisar o gênero por sua perspectiva socioeconômica.

Realizada entre 2007 e 2008 na região metropolitana do Rio, o berço do "pancadão", a pesquisa ouviu agentes envolvidos na produção do funk, como DJs, MCs (autores e intérpretes de suas faixas) e equipes de som (que promovem os bailes e fornecem seus aparatos), além de camelôs que faturam com as festas. As mais de 400 entrevistas mapearam relações e mostraram que o gênero movimenta cerca de R$ 10 milhões por mês no Estado do Rio.

Hermano Vianna, autor do pioneiro estudo "O Mundo Funk Carioca" (1988), acredita que esse tipo de pesquisa ajuda a esclarecer o funcionamento do gênero e que deveria ser mais frequente também em outras áreas. "Não é um problema só do funk. A produção cultural brasileira tem poucos censos econômicos. A cultura perde, com isso, muitas oportunidades na comparação com outras atividades econômicas mais organizadas", avalia.

"Conseguimos mostrar com essa pesquisa que o funk é um mercado de trabalho e de produção econômica", diz Marcelo Simas, pesquisador da FGV Opinião. O instituto já havia se debruçado sobre outro gênero, o tecnobrega, em pesquisa compilada no livro "Tecnobrega: O Pará Reinventando o Negócio da Música", de Ronaldo Lemos e Oona de Castro. Fenômeno no norte do país --numa realidade econômica bem diferente--, o tecnobrega movimenta R$ 5 milhões por mês em Belém, metade do que o funk movimenta no Rio.

Cadeia produtiva

Os dados mostram que é o MC quem mais fatura na cadeia produtiva do funk, ganhando, em média, R$ 4.140,19 mensais. "Até então, muitos achavam que o dono da equipe de som era o principal articulador dessa cadeia produtiva. Ele de fato arrecada o dinheiro e faz os pagamentos, mas o MC é o agente mais lucrativo", diz a pesquisadora Elizete Ignácio, da FGV.

A partir de 2003, os MCs começaram a se desligar das equipes de som e a conquistar um espaço próprio. De acordo com o estudo, eles fazem uma média de 35,2 apresentações por mês, enquanto DJs se apresentam 29,5 vezes no mesmo período.

Segundo Ignácio, uma das grandes queixas dos entrevistados é quanto à instabilidade do mercado. "As pessoas entram e saem do funk a todo o tempo. O tempo médio de carreira é muito baixo", diz. DJs e equipes de som trabalham, respectivamente, 13 e 15 anos, em média. O tempo médio de carreira do MC é mais curto --nove anos.

Os DJs, que até a década de 1990 tocavam de costas para o público nos bailes, são apontados como os principais responsáveis pelas inovações musicais e vêm diversificando suas funções --seja apresentando programas de rádio, seja atuando como empresários de MCs, com quem costumam ter uma relação mais harmoniosa do que com as equipes de som.

Segundo o estudo, a informalidade que rege cachês e contratos gera uma série de atritos e acusações entre os agentes. Há dois anos, porém, vêm surgindo associações que pleiteiam a formalização das relações econômicas e de trabalho.

As equipes de som promovem uma média de 878 bailes por mês no Estado do Rio de Janeiro. Para realizar mais de uma festa por noite, dividem-se em subequipes e recorrem a aluguel de equipamentos.

Apesar de faturarem mais nos bailes em clubes (em geral quadras de esportes ou danceterias da cidade) do que naqueles promovidos dentro das chamadas comunidades (praças, quadras e escolas de samba), as equipes não deixam estas últimas de lado. Entre as razões, estão a "gratidão" pelo fato de as comunidades terem abrigado o funk quando ele foi reprimido pelas autoridades do Rio, nos anos 90, e o fato de elas ainda serem plataformas para lançamento de artistas e sucessos.

Igreja desabou por falta de manutenção, dizem técnicos

sem comentários.......

Estrutura desmoronou por falta de manutenção, pequenas infiltrações e excesso de peso, segundo indícios

Bruno Tavares e Rodrigo Brancatelli, de O Estado de S. Paulo
SÃO PAULO - Técnicos da Polícia Científica, do Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru) e da Defesa Civil iniciaram os trabalhos para descobrir as causas do desabamento que matou 9 pessoas e feriu outras 106, sendo 8 em estado grave, no início da noite de domingo. Os primeiros indícios mostram que a estrutura desmoronou por falta de manutenção, pequenas infiltrações e excesso de peso causado por ar-condicionado, aparelhos de som e de iluminação colocados indevidamente no teto nos últimos anos, conforme os técnicos revelaram ao Estado.

Fotografias feitas ontem pelos órgãos da Prefeitura mostram cupim na madeira do telhado, além de vários equipamentos de som e de luz que sobrecarregaram o teto. A instalação do ar-condicionado também foi feita sem levar em conta que a estrutura não aguentava tanto peso. "Pela condição do cimento, da madeira e das vigas de ferro, é possível falar que falta de manutenção também deve ter sido essencial pra tragédia", disse uma das peritas que trabalham na investigação.

O presidente da Renascer, o deputado federal Geraldo Tenuta Filho (DEM-SP), o Bispo Gê, disse que o teto não oferecia perigo, a manutenção era feita anualmente e ele "nunca permitiria a entrada de fiéis em um local condenado". Bispo Gê ainda anunciou que indenizará as famílias das vítimas.

Prefeitura e Renascer passaram o dia de ontem tentando se eximir da responsabilidade pelo desabamento. A igreja tinha alvará de funcionamento expedido em 15 de julho de 2008, acompanhado de um laudo técnico assinado pelo engenheiro Carlos Alberto Freire de Andrade Neto atestando a segurança.

Segundo o secretário de Habitação, que assumirá em breve a de Controle Urbano, Orlando Almeida, os técnicos do Contru só são obrigados a checar as saídas de emergência e os equipamentos de segurança, mas não as condições estruturais do imóvel. "Isso é responsabilidade do proprietário", disse ele. A Renascer limitou-se a afirmar que tem alvará válido até 2009.

O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo (Crea/SP) informou que o engenheiro Andrade Neto, que assinou o laudo técnico, poderá ser responsabilizado criminalmente pela tragédia. A entidade também vai investigar o desabamento. O engenheiro não foi localizado pelo Estado.

O que nem o governo nem a Igreja conseguiram esclarecer é que o teto do templo da Renascer passou por uma reforma "total" entre setembro e novembro de 2008, que não foi comunicada à Prefeitura. A informação do deputado estadual José Antonio Bruno (DEM), bispo primaz da Igreja, é que o telhado e as telhas foram trocados. Pela legislação municipal, o Contru deveria ter sido informado previamente sobre a obra, o que não ocorreu, segundo a Secretaria da Habitação. O templo, portanto, estava irregular e passível de fechamento.

A promotora Mabel Tucunduva, da Promotoria de Habitação e Urbanismo do Ministério Público Estadual, disse que, em 1998, instaurou procedimento para apurar as condições de funcionamento de templos e igrejas da capital. Na ocasião, um laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) apontou "risco de ruína total ou parcial da estrutura (de sustentação do telhado)".

Após a reforma, no ano seguinte, um engenheiro, um arquiteto e o próprio IPT liberaram a sede da Renascer. "É inadmissível que, dez anos depois, esse telhado tenha ruído", disse a promotora, que agora pretende investigar os demais templos da Renascer na cidade. O promotor Ricardo Andreucci vai acompanhar o inquérito sobre o acidente, instaurado na 1ª Delegacia Seccional. Na segunda, seis pessoas foram ouvidas.

A Secretaria da Habitação informou que recebeu apenas um pedido de alvará de funcionamento da Renascer em dez anos. A pasta disse ainda que, se o proprietário não pede o alvará, "está sujeito a fiscalizações". Ainda assim, não soube esclarecer por que o local não foi vistoriado antes.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

samba da vila fundão

neste domingo rolou mais uma edição do samba da comunidade vila fundão. com o objetivo de arrecadar dinheiro para terminar a construção da sede da vila fundão na quebrada, o samba rola todo domingo na rua, com churrasco, cerveja gelada e os grupos pura gratidão, entre outros...
a sede vai abrigar a organização das atividades que são promovidas pela comunidade, como o time de futebol, a quermesse, o samba, etc..exemplo que deveria se multiplicar pelas quebradas de sp e de todo país...

eu e o Benê, o artista plástico da quebrada, responsável pelos graffitis, desenhos, e pela marca Fundão Roupas, que vende os famosos bonés da Fundão, além de também fazer os banners do Racionais...






video


video

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

leminski

para a liberdade e luta

me enterrem com os trotskistas
na cova comum dos idealistas
onde jazem aqueles
que o poder não corrompeu

me enterrem com meu coração
na beira do rio
onde o joelho ferido
tocou a pedra da paixão

..............................................................
quero a vitória
do time de várzea

valente
covarde

a derrota
do campeão

5 X 0
em seu próprio chão

circo
dentro
do pão
.........................................................................
eu queria tanto
ser um poeta maldito
a massa sofrendo
enquanto eu profundo medito

eu queria tanto
ser um poeta social
rosto queimado
pelo hálito das multidões

em vez
olha eu aqui
pondo sal
nesta sopa rala
que mal vai dar para dois

texto do Sérgio Vaz no Le Monde Diplomatique

o vira-lata da literatura periférica, Sérgio Vaz, escreve também para o jornal Le Monde Diplomatique. ele escreveu sobre o massacre da faixa de Gaza, leia aqui:

CULTURA PERIFÉRICA


O gozo de Gaza

A periferia debaixo de tiros, a Palestina debaixo de bombas. Mera coincidência, ou são sempre os mesmos que sangram nas calçadas, quer seja na faixa de Gaza brasileira ou na Faixa de Gaza Palestina? Estou cansado deste mundo de muitos na faixa de gaza e poucos na faixa do gozo

Sérgio Vaz

(13/01/2009)

Povo lindo, povo inteligente, na faixa de Gaza o povo Palestino sangra sob a mira de Israel, que pelo que parece não aprendeu nada com a Alemanha de Hitler. E o Mundo, em silêncio, parece que também não.

Aqui no Brasil, na Baixa do Sapateiro, faixa de gaza baiana, menino Matheus morreu com um tiro de Fuzil quando saía de casa para comprar pão, no mesmo momento em que a polícia invadia sua favela.

Mera coincidência, ou são sempre os mesmos que sangram nas calçadas, quer seja na faixa de Gaza brasileira ou na Faixa de Gaza Palestina? Será que a sede de sangue nunca cessa?

A Periferia debaixo de tiros, a Palestina debaixo de bombas. Será que deus foi passar o réveillon em Copacabana?

Não tenho tempo para orações, porque enquanto a gente esfola o joelho de mãos espalmadas pedindo o céu, eles, com as mãos armadas, nos atolam no inferno.

Estou cansado deste mundo de muitos na faixa de gaza e poucos na faixa do gozo.

Em tempos de humanidade tão desumana, estar vivo, dependendo do lugar, já é um grande milagre. Aqui na faixa de Gaza paulista, a gente está colocando livros nas mãos das crianças que ainda não foram mortas. E elas disparam poesia ao invés de pedras - mesmo com a boca cheia de cáries e o peito cheio de mágoas-, e ainda tem muita gente que não está gostando nada disso.

O Verbo das ruas se conjuga assim: se eles vão, nóis vai, se vale tudo pra chegar primeiro, vale tudo pra quem chega-chegando. Quando o sujeito não está presente, ninguém tem futuro ou pretérito perfeito.

Mundinho medíocre esse nosso. Vai vendo a contradição: meninos que pegam em armas valem mais do que meninos que pegam em livros. Entendeu não? Eu explico: É que para alguns, quanto mais Vietnã mais Miami se aproxima.

Tem sangue em nossas mãos e tem gente que finge não entender: o porque de tanta Hiroshima.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

sons locos

que calorrrr é esseeee....



salgueiro é o caldeirão!!!

nunca tinha ido, e adorei o ensaio do salgueiro, escola de samba carioca da tijuca, um dos bairros com o maior número de favelas do rj...o enredo deste ano é: TAMBOR... foi a primeira vez que eu vi a performance do Quinho do Salgueiro, realmente ele é cabuloso!!



video

2009 já começou a milhão....

só este ano já fui duas vezes trabalhar no recife, por causa disso, mal dormi na minha própria casa este ano, que dirá conseguir atualizar o blog.... consegui esticar pouquíssimos dias de descanso num paraíso de pernambuco....
lá vc percebe muito mais os reflexos dos mandos e desmandos do nosso governo, o nordeste é lindo mas é muito miserável, muita criança pedindo dinheiro na rua, muita prostituição....dá vontade de pegar a pivetada no colo e trazer pra casa.